Entrevista Edla zim

B&N: Qual a receita para a Motivação na sua mudança de atividade aos 52 Anos?

Edla Zim: A receita vem de ingredientes diversos e que estão sendo adicionados ao longo da minha vida, acredito.A educação recebida em casa, a juventude, o casamento realizado, a maternidade, um divórcio e um novo relacionamento. Trabalho, estudo, aprendizado, erros, acertos, decepções, conquistas, gratidão e uma grande dose de otimismo. No entanto, acredito que o que me motivou para iniciar esta atividade aos 52 anos, foi a possibilidade de ajudar outras pessoas. Inspirando-as a buscar o seu melhor, fazendo-as pensar sobre uma possível mudança.

 

B&N: Como foi sua preparação para esta nova atividade?

Edla Zim: Trabalhei na Tractebel Energia, empresa que opera o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, localizado na cidade de Capivari de Baixo SC, por 30 anos. Durante este período eu fiz um Curso Superior de Relações Públicas e percebi que era apaixonada pela área de comunicação social. Então, me graduei em Publicidade e Propaganda logo em seguida. Após Concluir uma Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Recursos Humanos, busquei uma graduação na área e aos 50 anos, concluí a faculdade de Administração. Durante este tempo, nunca deixei de estudar inglês, que até hoje é ainda, o meu maior desafio. Também inúmeros treinamentos importantes nas áreas de Recursos Humanos, Administração, Segurança no Trabalho, Sustentabilidade e Responsabilidade Social, permitiram o meu amadurecimento profissional. Entre muitas atividades, destaco quatro, que me oportunizaram trabalhar com pessoas e buscar entender mais sobre Comportamento e Relacionamento. A atividade de coordenadora do Programa Menor Aprendiz e Programa de Estágio me colocou em contato com mais de mil jovens, diretamente. Foi talvez, a mais importante atividade por mim desenvolvida,  pois olhando para trás, a importância se dá pelos resultados obtidos, tanto na formação profissional quanto comportamental destes jovens. A atividade de Analista de Responsabilidade Social, me colocou entre as famílias com situação de vulnerabilidade social o que me fez crescer muito. Já a coordenação do Programa de Visitas da Empresa, com sua bagagem rica, mostrou como trabalhar com uma equipe para alcançar os melhores resultados, além do aprimoramento diuturno da qualidade ao atendimento ao cliente.

 

B&N: Além do Trabalho, algo mais a inspirou para esta nova atividade?

Edla Zim: Sem dúvida, além do meu trabalho nestes 39 anos, tenho ainda, três fontes de inspirações. Família é a primeira. Tenho dois filhos e a maternidade mudou a minha vida. Costumo falar isto nos encontros com pais e professores, porque temos que entender o contexto familiar para entender o comportamento das crianças e dos jovens. Digo isto com muita segurança, pois é na família que estão as grandes mazelas da nossa sociedade. Se com estrutura familiar é difícil, imagine sem estrutura? Nestes 25 anos, desde que ganhei meu filho mais velho, tenho procurado fazer o melhor e o meu melhor não significa que seja o melhor para outra mãe ou outro pai. Aprendi que a maternidade muda a nossa visão completa e absoluta da vida, mas que não existe uma receita pronta e nem manual para criação e educação de nossos filhos. Nos tornamos outra pessoa, quando assumimos de fato, este papel tão rico.  A escola é outra fonte de inspiração. Na escola tenho sempre momentos de alegria, pois procuro com meu trabalho, fazer uma reflexão com os pais e professores sobre a importância dos limites e valores. Falar de educação e orientação pedagógica, que são coisas diferentes, abrem possibilidades de reflexão e de uma nova integração. A terceira fonte de inspiração são os jovens, especialmente quando o assunto a ser abordado com eles é sobre família, escola e sociedade. Gosto de falar abertamente sobre a minha experiência com meus filhos, sobre expectativas, derrotas, conquistas e vitórias.

 

B&N: Quais os resultados obtidos para quem contrata o seu trabalho?

Edla Zim: Primeiro, é importante deixar claro que a minha proposta não é mudar ninguém, pois a mudança só acontece de dentro para fora. Eu me proponho com minhas palestras, fazer uma reflexão através do conteúdo que apresento, e, claro, dentro do que está sendo proposto para o momento. Se vamos falar de Segurança do Trabalho por exemplo em uma SIPAT, a minha linha é sobre Segurança Emocional do empregado. O que faz o empregado correr riscos e acabar sofrendo um acidente no seu ambiente de trabalho? Onde está a atenção do empregado? Em algum problema em casa? Em suas finanças que não vão bem? Num desentendimento com um colega?  Outra palestra que tem um assunto muito dinâmico e apropriado para as empresas, fala de elegância de comportamento e apresentação pessoal. Como o empregado pode obter sucesso no mercado de trabalho? Então, seja no meio empresarial, comercial ou familiar, procuro ir além da reflexão, procuro fazer uma provocação para que a mudança inicie, de fato.

 

B&N: Como é seu tempo para a família?

Edla Zim: Hoje é mais tranquilo, pois trabalhar por conta própria, me dá a possibilidade de flexibilizar meus horários; porém, já passei pela mesma situação que muitas mulheres passam. Conciliar o trabalho com estudo, papel de mãe, dona de casa, esposa, filha quando os pais são idosos e outras atividades que vão surgindo espontaneamente. Tudo isto não é fácil.Este é um dos temasque abordo nas palestras para mulheres e casais, que são reflexivas, mas com um viés cômico, porque viver a dois é uma verdadeira arte e necessita de muita compreensão.

 

B&N: O que foi preciso abrir mão para conseguir chegar até aqui?

Edla Zim: Na verdade, a vida é feita de escolhas. Para cada escolha existe uma renúncia. Não podemos ter tudo ao mesmo tempo.  Na minha palestra – Motivação com Foco em Resultados – As 12 lições que a vida me ensinou, falo a respeito deste processo em minha vida, que está diretamente ligado a questão da autosabotagem e das escolhas, mas posso afirmar que até hoje isto acontece. Quando falei lá no início que ainda estou estudando, eu posso dizer, que se eu pudesse, eu já teria parado, mas em contrapartida, eu abriria mão de falar inglês fluente, que é um sonho que venho embalando há anos.  Não só no âmbito profissional, mas pessoalmente, já abri mão de coisas que eu gostava, mas, para ter segurança e a certeza de que um passo hoje dado para trás, pode significar dois lá adiante. 

 

B&N: Qual é o seu maior sonho, algo que ainda não tenhas realizado?

Edla Zim: Eu sou uma sonhadora nata. Durmo e acordo sonhando. Eu sempre tenho um sonho para realizar, mas se ele não chega, não me abalo. Se não posso realiza-lo num médio prazo, coloco outro no lugar e deixo aquele em standby. Talvez o que me faça ser sonhadora seja o fato de ser agradecida por tudo. Já conquistei muitas coisas, já consegui ir além do que eu havia sonhado. Sempre conversamos em casa sobre nossos sonhos. Dos que já foram realizados, dos que ainda queremos e dos que virão. Tudo de “buenas”, porque acostumamos lidar com os imprevistos e com as frustrações, mas nem por isso, estes significam que chegamos ao fim, pelo contrário. Neste momento, embalo o sonho de ser uma palestrante respeitada e reconhecida em nossa região. No futuro, além de regionalmente, também com reconhecimento nacional. Mas, tudo a seu tempo.

 

B&N: Quais suas maiores conquistas até este momento?

Edla Zim: Ter sido uma filha dedicada. Ter construído uma carreira de respeito, aproveitando todas as oportunidades que me foram dadas, através do meu esforço e de minha disciplina. Ter conquistado a cadeira de professora universitária, um dos maiores sonhos da minha vida. Ter uma família e amá-la com todas as suas peculiaridades. Mas, a maior conquista de todas foi ter formado bons filhos.

 

B&N: Iniciando aos 52, o que você projeta para o futuro?

Edla Zim: Eu mais desejo do que projeto. Desejo ter saúde para palestrar muito e dividir o meu conhecimento e minha experiência com as pessoas.