Ana Luzia Nobre

A entrevistada de hoje é uma pessoa muito querida. Quem conhece ela ou teve a oportunidade de trabalhar com ela, comenta de sua retidão e amizade. Quem não conhece vai ficar sabendo um pouquinho sobre esta excelente pessoa.

 

B&N: Quem é Ana Luzia Nobre?

Ana Luzia Nobre: Essa é a primeira pergunta e pra mim a mais difícil de responder, deixei por último e levei dias pensando no que escrever. Sou mãe de dois filhos, Natasha e Daniel, avó de três netas, Sofia, Joana e Maria, esposa do Celso, trabalho em casa com bordados computadorizados. Sou uma pessoa inquieta, não gosto de rotina, faço alguns artesanatos, crochê, ponto cruz, estou sempre testando técnicas novas de artesanato, reciclando, gosto de fazer amizades, ler, viajar, testar receitas novas. Minha irmã me classifica como extremamente racional. A Família é meu porto seguro, minha base.

 

B&N: Qual é a sua cidade de origem e como é sua relação com ela?

Ana Luzia Nobre: Considero ter duas cidades de origem: nasci no Crato, Ceará, depois fui para Brasília onde morei por 20 anos.

 

B&N: Qual a origem do seu nome e sobrenome?

Ana Luzia Nobre: Ana, porque meu pai gostava desse nome, e colocou nas 3 filhas, Luzia em homenagem a minha avó paterna. O sobrenome é de origem Portuguesa.

 

B&N: Como foi sua infância?

Ana Luzia Nobre: Divertida, com muitas brincadeiras legais, como pular corda, jogar peteca, subir em árvores, muito diferente das brincadeiras de hoje em dia, um tempo em que era tranquilo as crianças brincarem na rua.

 

B&N: Como foram suas primeiras experiências profissionais?

Ana Luzia Nobre: Trabalhei em diversos setores como comércio, escritório até que, por influência de um tio jornalista, Gualter Loiola, entrei no mundo da diagramação de jornais, livros e revistas, profissão que exerci por mais de 20 anos. Hoje trabalho com bordados computadorizados.

 

B&N: Sabemos que você trabalhou em Jornais da Região.  Como você analisa o momento atual dos jornais de nossa região?

Ana Luzia Nobre: Com certa tristeza porque vejo que esses profissionais continuam não sendo valorizados como deveriam, e com isso ficam desestimulados, muitos mudam de profissão.

 

B&N: Qual sua formação?

Ana Luzia Nobre: Não tenho curso superior, mas sempre procuro fazer cursos e trocar informações com outros da mesma profissão, para me atualizar.

 

B&N: O que mais lhe agrada na sua profissão?

Ana Luzia Nobre: Tanto antes como diagramadora como agora na área de bordados, o que acho melhor é não ter rotina. A área de bordado é cheio de infinitas possibilidades de criação.

 

B&N: Qual sua maior paixão?

Ana Luzia Nobre: Gosto muito de artesanato, sempre procuro novidades, novas técnicas, tento fazer um pouco de cada coisa, bordado em ponto cruz, crochê, patchwork, não gosto de ficar parada, mas principalmente estou sempre lendo.

 

B&N: Qual é o seu maior sonho, algo que você ainda não tenha realizado?

Ana Luzia Nobre: Gostaria de viajar pelo Brasil. Conhecer a diversidade do nosso país.

 

B&N: Quais suas maiores conquistas Profissionais e pessoais?

Ana Luzia Nobre: Profissionalmente foi descobrir que depois de mais de 20 anos na mesma função eu consegui mudar de profissão e me adaptar tão bem. Eu achava que me aposentaria como diagramadora. Pessoalmente e ver os filhos criados e trilhando o próprio caminho.

 

B&N: O que você projeta para o futuro?

Ana Luzia Nobre: Conhecer o Brasil.

 

B&N: Fale um pouco de lado aventureiro?

Ana Luzia Nobre: Esse lado tem muita influência do meu marido Celso Schimanski, já tivemos nossa fase aquática, andamos de caiaque pelas lagoas da região, fomos a Florianópolis demos a volta na ilha do Francês, agora estamos na fase duas rodas, passeamos de moto, sempre que possível.

 

B&N: Qual sua relação com flores? E com animais.? Pets?

Ana Luzia Nobre: Na casa dos meus pais sempre teve plantas e animais, então pra mim é muito natural continuar assim na minha casa. Já tivemos 2 cães e 4 gatos (que morreram envenenados), hoje temos apenas uma que foi encontrada na rua ainda pequena e hoje já está com 11 anos, e é o xodó da família. Nosso quintal é uma pequena floresta, temos limão, lima, acerola, maracujá, figo, além das plantas ornamentais.

 

B&N:  o que precisa ser feito para que o eleitor recupere a confiança nos partidos políticos.

Ana Luzia Nobre: Precisa fazer valer a lei e punir os corruptos, impedir que continuem fazendo parte do governo. Renovar. Olhando pra toda essa sujeira, tenho achado que é preciso um choque no país,

 

B&N: Sabemos que nem tudo são flores, tem alguma passagem que te marcou de forma diferente, positivamente ou negativamente?

Ana Luzia Nobre: Positivamente com certeza foi o nascimento dos filhos, uma verdadeira transformação da vida de qualquer mulher. Muda o nosso modo de pensar, agir e ver o mundo. Depois, o nascimento das netas, que é uma renovação, só passando por estas fases para entender.

Sempre passamos por alguma situação que nos marca negativamente, mas isso, deixo guardado, levo só o aprendizado dessa fase.

B&N: Gostaria de deixar uma mensagem para as pessoas que acompanham o nosso site?

Ana Luzia Nobre: Devemos valorizar os produtos da nossa região e essa revista tem uma proposta diferenciada e muito interessante, bem diversificada. Parabéns. 

Aqui terminamos a entrevista com esta incrível pessoa, queremos deixar aqui nosso agradecimento a ela por ter sido tão receptiva ao projeto de entrevista do site e responder todas as perguntas. Esperamos que todos tenham gostado e vemos todos vocês na próxima entrevista.